sábado, agosto 16, 2008

O Relógio

Tic-tac...tic-tac...tic...

Olho o relógio;
O tempo passa;
As nuvens correm como carros na estrada;
O sol deita pra lua levantar.

O tempo não para!
As horas passam!
Queria eu atrasar o sol;
Para ter mais horas no meu dia.

Mudo o relógio do meu quarto de lugar;
Mas as horas não mudam;
As noites mal dormidas me enfermam com suas poucas horas.

Este escravo do relógio com medo do futuro;
Se esvai nos ponteiros tempo.

Levanta homem!
Beije tua mulher!
Abrace tuas crias!
Tome seu café!

Olho o relógio;
Silêncio!
Escuto ele zombar de mim:
-Dance meu "tic-tac" minha marionete!
O tempo nos enlouquece;
Nos transfigura por dentro e nos mata por fora.

E lembrem-se "crianças":
Goze do tempo que lhe foi dado;
Faça o que tiver de fazer;
Mostre todo desapego ao teu relógio, zombe dele!
Pois, certamente, ele zomba de você.

tac...tic-tac...tic-tac...

(Diego G. Ferrão)

5 comentários:

santadopaoco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
santadopaoco disse...

Aprecio tudo que vc escreve e sem moderação! Cada palavra respira vc e vc respira cada palavra!

Kahlua disse...

me parece familiar..

amo-te!

:)

Thainá disse...

É estranho pensar que a cada pensamento ou piscar de olhos, perdemos uma parte desse tempo para sempre...
Talvez por isso ele seja algo tão fascinante,cada fragmento de tempo é único e perfeito!
Uma pena a gente não perceber isso sempre...
Gostei do texto!
Me fez pensar...
Além de me lembrar aquela musica nova da Madonna ;)

Maria Moreno disse...

O tempo não para!
As horas passam!
Queria eu atrasar o sol;
Para ter mais horas no meu dia*

MEu lindoo, amo tudo que escreve tbem, vc é dez!
Eu queria parar o tempo num verso
poético, onde a gente tivesse manias e maneiras de se encontrar... (sempre)
BeijoOO